Estadisticas y contadores web gratis
Oposiciones Masters
 
 
 
 
gay, guei, gay cristão, cristão gay, homossexualidade, homossexualismo, bissexualidade, diversidade, diversidade sexual, gls, glbt, glbtt, homossexual, homossexuais, gays, jesus cristo, cristo, deus, cura de gays, homoerótico, tolerância, intolerância, homoerótica, homoerotismo, preconceito, homoafetividade, bíblia e gays, deus e gays, cristo e gays, fé e gays, transsexual, transsexuais, homofobia, igreja gls, igreja inclusiva, igreja para a diversidade, pessoas excluídas de igrejas, igrejas, igreja, excluídos, preconceito, homofobia, mensagens, mensagem, ajuda, auto-ajuda, palavra de Deus, evangélicos
Envie sua contribuição para esta página, não é necessário identificar-se
Nome/ Pseudônimo:        Cidade/Estado/País:
Depoimento:


Deus Realmente Existe?

Pense no universo com seus bilhões de estrelas. Todas elas orbitam nos céus segundo leis que as mantém numa relação perfeita entre si. Seria tolice pensar que o universo se criou sozinho, sem qualquer orientação, conseguindo constituir os grandes sistemas estelares que se locomovem numa ordem exata. Seria necessário um Criador inteligente, com grande poder, para que isso ocorresse.

Um empresário, a quem foi questionada a razão de sua fé em Deus, explicou que, em sua fábrica, levava dois dias para um operário aprender a montar as 17 peças de um moedor de carne.‘Sou apenas um fabricante de cutelaria’, disse ele,‘mas sei que você pode sacolejar numa tina as 17 peças de um moedor de carne durante os próximos 17 bilhões de anos sem nunca sair disso um moedor de carne’. Este universo, inclusive as muitas formas de vida na terra, é muitíssimo mais complicado do que um moedor de carne. Se tal máquina requer um fabricante hábil, podemos ter a certeza de que se precisou de um Deus Todo-poderoso para criar todas as coisas.

Ultrapassando os limites da ciência, físicos e biólogos enfrentam a questão: existe um Deus? O papa da moderna cosmologia, o inglês Stephen Hawking, afirma que talvez um dia ‘a humanidade venha a conhecer a mente de Deus.’ Em sua coletânea de ensaios, ‘Buracos Negros, Universos Bebês’, publicada em 1993, esclarece sua relação com a idéia do Criador: ‘Meu trabalho não mostra se Deus existe ou não. Mostra apenas que ele não foi o árbitro da criação. Mas a questão maior ainda permanece: por que o universo existe? Se você preferir, pode afirmar que Deus é a resposta a essa pergunta.’

Albert Einstein, o maior gênio científico do século XX, confessou a um assistente que, no fundo, seu único interesse era descobrir ‘se no instante da criação Deus teve escolha de fazer um universo diferente e, caso tenha tido opção, por que é que decidiu criar este universo singular que conhecemos e não um outro qualquer.’ Numa época em que cientistas e religiosos só se davam as mãos por boa educação, Einstein não duvidava da origem divina do universo. Sua dúvida era saber se Deus tivera escolha. Ele ainda admitiu: ‘Para mim, basta ...meditar na maravilhosa estrutura do universo, vagamente perceptível a nós, e tentar compreender humildemente nem que seja uma infinitésima parte da inteligência manifesta na natureza.’

A realidade da existência de Deus é provada pela ordem, pelo poder e pela complexidade da criação, macroscópica e microscópica, e pelos modos de lidar com seu povo no decorrer da História. Em toda a parte existe testemunho de sua atividade e de sua grandeza.

Alguns dizem que Jesus nunca existiu - que Ele é, na realidade, uma criação de alguns homens do primeiro século. Entretanto, o historiador Will Durant argumentou: ‘Seria um milagre ainda mais incrível que em apenas uma geração uns tantos homens simples e rudes (pescadores muitos deles) inventassem uma personalidade tão poderosa e atraente como a de Jesus, uma moral tão elevada e uma inspiradora idéia da fraternidade humana.’

Até os calendários hoje baseiam-se no ano em que Jesus nasceu. Além da Bíblia, existem outros registros históricos a respeito de Jesus. Cornélio Tácito, respeitado historiador romano do primeiro século, escreveu: ‘O nome [cristão] deriva-se de Cristo, a quem o procurador Pôncio Pilatos executou no reinado de Tibério.’ Suetônio e Plínio, o jovem, outros escritores romanos daquela época, também se referiram a Jesus. Além disso, Flávio Josefo, historiador judeu do primeiro século, escreveu sobre Tiago, a quem identificou como ‘o irmão de Jesus, que era chamado Cristo.’